quinta-feira, 15 de junho de 2006

Ansiedade

Mais um assunto sisudo, mas é que eu gosto.
essa semana me deparei com dois textos que me interessaram:

"Fôssemos infinitos
Tudo mudaria
Como somos finitos
Muito permanece."

-- Bretch


"Não entendo. Tudo é tão vasto que ultrapassa qualquer entender. Entender é sempre limitado. Mas não entender pode não ter fronteiras. Sinto que sou muito mais completa quando não entendo. Não entender, do modo como falo, é um dom. Não entender, mas não como um simples de espírito. O bom é ser inteligente e não entender. É uma benção estranha, como ter loucura sem ser doida. É um desinteresse manso, é uma doçura de burrice. Só que de vez em quando vem a inquietação: quero entender um pouco. Não demais: pelo menos entender que não entendo."

-- Clarice Lispector


O primeiro estava no lugar do segundo no início da semana.
Eles encabeçam a descrição da comunidade Ansiedade, no Orkut.
Pra começar, achei ambos muito bem situados.

"Ansiedade é uma experiência universal. Uma emoção que experimentamos em várias situações do cotidiano, em momentos de perigo ou muita expectativa. Aumenta o nosso grau de vigilância, prepara-nos para agir nas situações de estresse, mas pode transformar-se num transtorno, ou estado patológico."

Ou seja: todo mundo tem, mas pra algumas pessoas pode ir além dos limites e fazer muito mal.

Ansiedade é uma emoção que lida diretamente sobre o físico e pode gerar os mais doidos e curiosos sintomas psicossomáticos: falta de ar, ruborescimento, gagueira, dor, enjôo, frio, calor, tremedeira, e o famoso frio na barriga (que eu descreveria melhor como sensação de insetos caminhando pelo ventre).

Esses sintomas em geral aparecem em situações chaves da vida, sejam aquelas em que a gente se sente despreparado, em que há muita pressão interna ou externa, ou ainda momentos de solidão ou incertezas. É muito difícil de controlar sem medicação, e apenas depois de passar por situações "de choque" a gente consegue superar os sintomas e deixar a coisa fluir mais naturalmente.

Porque estou postando isso aqui? Simples. Fazem uns 6 meses que ando com uma crise de ansiedade muito forte. Começou com a falta de trabalho do início do ano e agora, que tem trabalho caindo pelas beiradas, ela continua, e está pior.

E o maior estrago: me faz comer compulsivamente. Do tipo que a velha força de vontade (que já foi forte) não dá conta nem por 5 segundos. Será que alguém conhece dicas pra resolver isso? chás? simpatias? procedimentos? massagens? bizarrices? Tô aceitando qualquer coisa.

Pode parecer idota, mas eu não era assim, não consigo visualizar uma causa obvia e não sei o que faço pra dar conta. Se continuar voua cabar procurando um grupod e auto ajuda! hehehehe.

bom feriado pra todos!

3 comentários:

Ingrid Steinstrasser disse...

Se tu achar a resposta, me avisa! Sofro disso também, and it sux!

::renata:: disse...

respira e relaxa!
se posso tirar uma lição de 2006, já sei qual é antes mesmo dele acabar: leveza!!
Ser leve foi o que aprendi com as pessoas que conheci esse ano!
levar tudo a sério e na ponta da faca é muito estressante...buscar sentido para tudo é muito chato!
É chichê mas é a verdade universal: a vida é curta demais para a gente deixar a diversão de lado!
xô mau humor, xô seriedade, xô ansiedade!
leveza é tudo! :)

quebrando ovos disse...

Bom... ansiedade é foda. O corpo fica em estado de alerta o que altera a percepção do tempo. Este passa mais lentamente o que dá tempo. O cérebro em estado de alerta entra facilmente em loopings que travam a mente nos pensamentos que trazem angústia. O corpo também tem a capacidade de ficar preparado para uma situação só em pensar nela. Quando vc sente medo de uma situação seu corpo começa a fazer a mesma coisa que faria se estivesse na situação... com a diferença que se entrar em looping vc não consegue sair.
Uma técnica que tento usar é identificar os pensamentos desencadeadores e literalmente mentalizar outra coisa... ou tentar fazer alguma outra atividade que exija que eu me concentre mentalmente (não adianta fazer coisas que deixem a mente trabalhar).
Outra forma... se essa não funciona é começar a fazer algo repetitivo... o cérebro tende a entrar em outro looping o que te deixa anestesiado por um tempo... e fica mais fácil de sair da ansiedade.
O melhor remédio mesmo é trabalhar em estabilidade... eu sei... eu sei... no nosso estilo de vida não sei se é possível ... pelo menos nos primeiros 10 anos até vc quem sabe virar chique... quem tem um emprego um pouco mais estável como sua amiga Renata aqui em SP... não costuma ter esse tipo de ansiedade... mas se não dá pra se livrar da causa... pelo menos tem que aprender a viver com os efeitos... that´s it... ah outra coisa... não dá mesmo pra separar corpo de mente... tai a ansiedade pra provar...
abraço