sexta-feira, 22 de setembro de 2006

lacunas

Sensação estranha na hora de dormir, todas as noites iguais, um vazio, um vácuo, uma revolta entre duas metades de mim, seguir acordado indefinidamente, lembrar do amanhã de compromissos inadiáveis, chatos, burocráticos, temperados por muito sono, desejar uma outra vida, um outro papel, ser protagonista em uma outra história, ser coajuvante da própria história, vazios menos profundos, um lugar especial, uma casa, uma morada, uma vista para o mar, música e idéias, imaginação sem limites, filmes antigos, fotografias em sépia e preto e branco, paixões diárias avassaladoras, pela própria vida, mundo, pessoas, que cruzam o caminho uma única vez, várias vezes, o tempo todo, um único instante, desejar o ontem, desejar o amanhã, refugar o agora, sentir-se fora de época, fora de local, fora de rumo, rumar sem destino, rumar apenas pela estrada, escolher caminhos, deixar pegadas, marcas, pedaços, ser diferente a cada dia, crescer ainda que pra dentro, estar sempre incompleto, sempre repleto de vazios, de pedaços, de peças trocadas aqui e ali com o mundo, ser um mutante contraste de cheios e vazios que nunca se completa.

6 comentários:

Anônimo disse...

Olá!

Pois é, bem apropriado sua mensagem já que, de um ponto de vista microscópico, somos feitos por átomos que são, afinal, formados por imensos (relativo) espaços vazios. Assim, nós somos recheados (?) lacunas!

Abraços!

Tiago

Carolina disse...

Nas devidas proporções, tenho me sentido de um jeito parecido.

Ânimo para nós, não??

Beijos Torik!!

::renata:: disse...

e quando vc está assim, faz o que?
tipo, tenta sair dessa e descobrir o motivo?
bjs!

Léo disse...

Sentimentos que me perseguem, também. Talvez esse vazio seja um problema impossível de resolver. Começo a pensar assim. Tô ficando cada vez mais pessimista, eu acho. Mas eu queria muito que a vida me provasse o contrário. Ainda tenho essa esperança. Que pelo menos uma parte seja preenchida, não é?
Ser protagonista da nossa própria história pode ser cansativo, tedioso, risível até. Tem horas que dá vontade de fugir da gente e ir viver outra coisa.

Léo disse...

Tem horas que dá vontade de fugir da gente MESMO. Ir viver outra coisa, fazer outra coisa, ser outra coisa qualquer...

Rodrigo Thor disse...

Rê: o pior é que eu conheço vários motivos, mas a nenhum deles a solução está diretamente ao meu alcance. É como se a crista da onda tivesse passado (e ela durou) e agora eu estivesse prestes a rolar pelo turbilhão, é o preço.

Mas respondendo: acho que eu escrevo. Colocar isso tudo pra fora me faz muito bem...